Pesquisa personalizada
01
Dez 10

 

0000csdd

 

Um Milagre do Bairrismo Vimaranense

 

Há precisamente 62 anos, na madrugada de 28 de Julho de 1947 ardeu completamente a Praça de Touros, onde deveriam realizar-se as Corridas das "Gualterianas". Horas depois do grande incêndio, os vimarenenses impulsionados por extraordinário amor-bairrista decidiram reconstruir a Praça, e o feito concretizou-se com espanto de toda a gente. Tal acontecimento causou brado em todo o país e mesmo além fronteiras...

 

A edição nº809 saída a 3 de Agosto seguinte, relatava deste modo:

«ARDEU A PRAÇA DE TOUROS E, EM 5 DIAS, FICOU RECONSTRUIDA»

Notas dispersas de um grande acontecimento.-« Na madrugada de segunda-feira, irrompeu, com fúria, por causas que ainda se ignoram, um violento incêndio, que ao cabo de uma hora tinha lambido quase completamente a nossa Praça de Touros, mandada construir, este ano, de novo e cuja inauguração tinha sido marcada para hoje.

De nada valeram os esforços dos nossos intérpidos bombeiros que tiveram a coadjová-los os das Caldas das Taipas, nem os populares que ocorreram em grande número ao local do sinistro.

Da nova e elegante praça ficaram apenas os alicerces em pedra, a trincheira e...um montão de cinzas.

A cidade inteira assistiu, emocionada, ao derruir do grande edifício.

Surgiu o desânimo. A cidade, dolorosamente ferida, via que o desastre daquela madrugada vinha ofuscar grandemente o programa das FESTAS DA CIDADE e daí o grande pesar de toda a gente que andava de olhar baixo, meditando.

Começou, porém, de momento, a necessária reacção. A Praça poderia levantar-se de novo, diziam. Desde que se conseguisse materiais e pessoal tudo ainda seria possível, nao obstante estarmos a uma distância apenas de cinco dias.

Foi isto passando de boca em boca até que, levados todos pelo seu grande desejo de contribuírem para a realização desse sonho, se reuniram no Grémio do comércio, às 16 horas, conjuntamente com a Comissão Executiva das Festas, muitos mestres de obras da cidade e conselho e outras pessoas a quem foi posto claramente o problema:

«Será possível dentro destes 5 dias construir-se uma nova Praça?

Ao que responderam em coro :« Desde que as madeiras apareçam sem demora e o pessoal se consiga em grande número, tudo se consegue» Tanto bastou para que tudo se organizasse imediatamente.

Partiram pessoas em todas as direcções: uns a tratar do assunto das madeiras, outros a recrutar o pessoal.

Entretanto, no lugar onde existiu a Praça, compareciam centenas de rapazinhos vindos de todas as ruas que, num gesto digno de registo procediam à limpeza do recinto, onde já se estava a montar o serviço de iluminação eléctrica para o início dos trabalhos.

Enquanto que no Grémio do Comércio numerosas individualidades, á frente das quais os senhores Comendador Alberto Pimenta Machado, António José Pereira Rodrigues, José Rodrigues Guimarães, Eduardo Torcato Ribeiro e outros, estudavam em todos os seus promenores o assunto da construção da nova Praça, agregando elementos indispensáveis, dando instruções e prevendo hipóteses, cá fora, pelas ruas, comentava-se com ar alegre, teciam-se louvores, faziam-se promessas, rejubilava-se, enfim, de tanto entusiasmo.

A «Cabine de Som», instalada na Praça do Toural, levantava ao mesmo tempo o seu apelo, espontâneo e caloroso, em prol do engrandecimento da Cidade, para que todos os vimarenenses, bem unidos, como um só, prestassem a sua colaboração indispensável, no momento, para a construção da Praça de Touros.

Já por essa hora repicavam os sinos festivamente, os mesmos sinos que na madrugada haviam aflitivamente chamado os socorros, e automóveis que tinham também na noite anterior, despertando a cidade com o silvar de suas sirenes, atravessavam agora as ruas, silvando em tom mais alegre.

À noite redobraram de calor as manifestações. Milhares e milhares de pessoas cantando o Hino da Cidade á mistura com acordes musicais de duas filarmónicas - as dos B. V. de Guimarães e das Oficinas de S. José - saíram para a rua. Fizeram-se saudações através de poderosos alto falantes, deram-se vivas, afirmou-se bem alto que o querer é poder e que os vimarenenses tudo podem quando querem.

In Notícias de Guimarães

                                    

Editado pela Livraria Orpheu

Reconstrução em 5 dias da Praça de Touros em Guimarães, por

ocasião das Festas Gualterianas - Ano de 1947

Acontecido á 60 Anos

Com fotografias de alto brilho a par e passo do acontecimento

Dimensão: Altura 32,5 cm, Largura 42 cm, Expressura 4,5 cm

Apresentado numa caixa protectora c/ 1 Reprodução de uma Pintura

a óleo do consagrado pintor Ántonio Joaquim

 No Interior entre outras gravuras tem 2 reproduções de aguarelas

do pintor Jorge Maltieira

 

 Peso: 5 Kg

 Preço: 125 EUR

 Edição Especial, Numerada, capa de carneira e folhas Douradas

 Preço: 250 EUR

 

0000csdd


 0000d651ugal

  • Colecção de 16 postais

Edição livraria Orpheu

- apresentados numa carteira com uma resanha dos motivos

- ilustrados com desenhos a preto do pintor Salgado Guimarães dos motivos históricos da cidade de Guimarães.

 Custo: 10 EUR 

  •  Colecção de 12 postais

Edição da Livraria Orpheu

- com motivos do Centro Histórico de Guimarães 

- Património da Humanidade.

Reproduções de pinturas a óleo e a cores do pintor J. Macedo Silva.

 Custo: 7,5 EUR

 

0000d651

publicado por Livraria Orpheu às 11:20

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Hidro Miçanga
subscrever feeds
arquivos
2020

2019

2018

2017

2016

2015

2014

2013

2012

2011

2010

2009

2008

2007

Dezembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

3 seguidores

pesquisar neste blog
 
blogs SAPO